Shop Mobile More Submit  Join Login
About Literature / Hobbyist A. LouveFemale/Portugal Group :iconlokininto: Lokininto
Lok
Recent Activity
Deviant for 10 Years
Needs Core Membership
Statistics 151 Deviations 2,225 Comments 33,214 Pageviews

Newest Deviations

So many literature tags!

Random Favourites

deviation in storage by reapersun
deviation in storage by reapersun
A small collection of just some great things I found here on deviantArt! Check out these awesome works!

Friends

Watchers

Groups

Activity


Anoitece e os grilos comunicam por pequenos estalidos. Ainda estou escondida. Os estábulos são quentes, tanto calor vindo de corpos equinos, suas palhas, suas fezes. O cheiro é intenso, mas não é mau. Cavalos não cheiram mal, cheiram a feno, é a isso que cheira aqui. Mas não me posso deixar sentir confortável, não posso adormecer no meio dos fardos de palha: ele anda por aí, ele ainda anda por aí.

O assassino já matou seis estudantes de equitação, dentro deste estábulo, cada um junto a um cavalo. Os cavalos estão assustados, todos estamos assustados, mas tentamos manter a calma. Eu tento manter a calma. A próxima sou eu, sei disso, sinto isso. E ele anda por aí, ninguém sabe como ele é, a única coisa que sabemos é que a sua arma é uma faca, uma faca muito grande e muito afiada com que ele degola as suas vítimas. Não sei como poderei escapar. Preciso de sair do meu esconderijo. Os cavalos sabem onde eu estou. Ele sabe onde eu estou. Levanto-me subitamente, vou sair daqui como se nada se estivesse a passar, fazendo o máximo de barulho possível, vou chamar a atenção e o melhor que pode acontecer é que alguém me venha ajudar. Nervosamente, caminho, quase corro, as solas das botas de montar calcando pedacinhos de palha no chão de cimento. A saída. Vou conseguir.

Mas tenho de parar. À minha frente está aquele rapaz, uma pessoa que já tinha perdido nas memórias do passado. É muito baixo e entroncado, impede-me a passagem pela porta.

“Então, por aqui? Há quanto tempo não nos víamos!”

“Pois é, a última vez que ouvi falar de vocês foi quando a filha do professor perdeu o cão!”

Sinto-me salva, uma conversa normal, uma conversa normal e depois poderei sair do estábulo e fugir para a floresta. Sorrio, desvio o olhar. Então vejo a sua mão, escondida atrás das costas. Tem uma faca. Uma faca muito grande e muito afiada. É ele. É ele o assassino.

Empurro-o, com a surpresa ele não tem reacção, consigo escapar-me, fujo, correndo, correndo, as botas não me dão muita mobilidade nos tornozelos, mas é o melhor que consigo, fujo de olhos fechados, sei que a floresta está mesmo ali, na floresta estarei a salvo, estarei sim, estarei.

Quando abro os olhos, descubro que tomei o caminho errado. Estou na estação de metro. O chão é de mosaicos brancos, muito limpos, muito brilhantes, iluminados por fortes luzes que os fazem cintilar. As minhas botas fazem um ruído seco quando piso este chão.

Chega o metro. Duas carruagens unidas, amarelas e aerodinâmicas. Não há muito mais opções para além de entrar. Lá dentro, estão os meus colegas da escola. Já não os via há anos. Estão exactamente iguais, conversando sentados, um ou outro fazendo macacadas com as traves onde deviam segurar-se para se equilibrarem. Fico em pé, eles agem como se eu sempre estivesse ali. Saio atrás deles. Por coincidência é a estação onde eu deveria sair para ir a uma entrevista de trabalho. Por coincidência, eles também vão ao mesmo lugar.

É uma clínica pequena, aparenta ter apenas uma sala de espera e uma outra sala, separadas por uma cortina branca. Todos se sentam no chão menos eu. Tenho de me manter apresentável, para me contratarem. Duas raparigas, as melhores amigas, usam roupas estranhas. Têm um fato de corpo inteiro às listras amarelas e pretas, como aqueles antigos fatos de arlequim que se compravam em lojas de carnaval. Têm a cabeça coberta por um capuz, que também lhes cobre a face. Vêem e respiram por uma pequena rede, mas não conseguimos ver a cara delas. Uma das melhores amigas tira o capuz, parece jovial e feliz como sempre foi. Mas a outra pega na sua irmã pela mão e coloca-se num ponto mais elevado. Aí, inicia um discurso de ódio. Diz todas as coisas que sempre detestou na sua irmã mais velha, todas as coisas que sempre a magoaram, até mesmo coisas que sabemos que não são verdades. A irmã chora, pergunta porquê, porque é que ela lhe está a dizer todas estas coisas.

“Tenho de aproveitar que tenho o fato posto para dizer todas as verdades!”

A outra melhor amiga coloca o capuz e começa a dirigir-se para mim. Não! Não! Deixa-me! Eu não te quero ouvir! Afasto-me para perto da cortina branca, tenho de impedir que ela se aproxime, mas tenho de manter a compostura, a entrevista de trabalho é decisiva para o meu futuro.

Então aparecem dois estagiários, vestidos de vermelho, com uma maca. Estacionam-na à minha frente, bloqueando as rodas com os pés. Levantam o lenço. Por baixo dele está uma criança recém-nascida. É castanha, parece enlameada, ensanguentada, um pavor. O seu cordão umbilical está seco e retorcido e prolonga-se longamente. Está preso à testa de uma criatura que segue atrás da maca, um manequim de montra sem braços, com a cabeça encaixada sobre um pescoço demasiado fino e demasiado longo. Ela não tem roupas e tem ferimentos diversos, mas o seu corpo não é de carne, não é humano, não passa de um boneco. Grito, tenho medo, tenho tanto medo, deixem-me, deixam-me, não me digam as verdades, não digam!

Puxo o cordão umbilical, tenho de destruir estes bonecos. Mas quando o faço, o ventre da criança castanha desfaz-se em sangue e pus. Os meus gritos são abafados pelos risos dos outros. Afinal, não eram bonecos.
Cordao Umbilical
"Cordão Umbilical"

Tenho estado muito ocupada com trabalho. Tenho tido muitos pesadelos.
Loading...
Ai que enviei o manuscrito!

Agora é aguardar a resposta agressiva. :3
  • Mood: Nervous
  • Listening to: Animal Collective
  • Reading: Ulysses, by James Joyce
  • Watching: Last Exile
  • Eating: Um guta
  • Drinking: Auga
Quando era muito pequeno, os meus pais levaram-me a S. Miguel de avião, para ver os lagos. Dos lagos lembro-me pouco, mas recordo perfeitamente uma das noites: aproveitámos a estadia para assistir a um concerto de música clássica, instrumentos de cordas, a propósito de quê já não sei. Os meus pais não podem ser propriamente considerados melómanos, mas apreciavam ir a um concerto de quando em quando, para aproveitar o facto de alguém vir às nossas ilhas fazer fosse o que fosse. Nessa altura decidi que queria aprender a tocar um instrumento. Um instrumento de cordas, o maior possível tendo em conta o meu diminuto tamanho de criança. Insisti nisso durante todo o resto das férias. Quando regressámos à Terceira, os meus pais arranjaram-me um professor e um violoncelo, encomendado do continente. A partir daí, nunca mais parei de tocar.

O meu professor, as pessoas da escola de música, os meus amigos, todos me consideravam um talento, um jovem promissor no respeitante ao manejo do instrumento musical. Eu vivia para tocar e não fazia muito mais. Os outros jovens da minha idade começavam a interessar-se por namoradas e por beber vinho nas ruelas escondidas, mas eu ficava em casa, tocando, tocando, tocando sem parar no meu violoncelo. Era o que me dava mais prazer na vida e todos diziam que eu devia ir para o continente. Portanto, a primeira coisa que fiz quando celebrei os dezoito anos foi tirar a carta de condução. Seria mais útil andar de carro no continente. Chegaria depressa a todo o país e poderia mostrar os meus talentos em todo o lado. Estava convencido de que iria ter muito sucesso como violoncelista, não só no meu país como também na Europa, talvez até no resto do mundo se tudo corresse bem. E a verdade é que tudo corria bem. Estava apenas à espera de terminar o ensino obrigatório para me inscrever na escola superior de música no Porto. Infelizmente, devido a tantos ensaios e tanta dedicação ao violoncelo, tinha chumbado dois anos, no sexto e no oitavo. Estava atrasado. Mas não havia problema, era mais tempo que tinha para me aperfeiçoar no mundo da música antes de ir ter com os meus pares. Tinha muitas expectativas. Na ilha, ninguém me podia igualar, nunca encontraria ninguém suficientemente talentoso para fazer um trio, não havia uma orquestra na qual me pudesse introduzir. Estava ansioso.

Infelizmente, as coisas não correram muito bem. A minha mãe foi trabalhar para o Faial e brevemente seguimos atrás dela, eu, o meu pai e o violoncelo. Não podia haver nada mais deprimente. Uma ilha minúscula, sem nada que fazer, onde a única animação era observar os marinheiros no Peter’s. Não havia professor de violoncelo, não havia ninguém com quem falar de música. Nos primeiros tempos só me mantinha à tona da água porque podia tocar. Mas os nossos vizinhos começaram a implicar com isto, dizendo que não conseguiam dormir, que não conseguiam descansar, que não conseguiam ver o Preço Certo sossegados. Não podia tocar. Tinha perdido tudo.

O meu pai compadeceu-se de mim. Ofereceu-me um pequeno carro e disse-me que fosse passear pela ilha. Era uma ilha bonita e muito diferente da Terceira. Não era obrigatório ficar confinado à Horta. A partir desse momento, comecei a passear com o meu violoncelo e a tocar nos sítios mais improváveis e recônditos da ilha. Ninguém me podia incomodar. Se bem que eu sabia que o som do instrumento se ouvia a muita distância. Tinha esperança de alegrar o dia a algum daqueles pastores de vacas.

Na Horta, o meus sítio preferido para tocar era no porto, junto de todos aqueles desenhos coloridos que, para mim, não faziam qualquer sentido. Nesse dia, tocava uma sonata um pouco mais simples, alegre dentro dos possíveis, só para exercitar os dedos. Sentia o som a penetrar dentro da água do mar, que batia calmamente contra o pontão, pensando em como o mar também se devia sentir sozinho. Então, comecei a vê-la. Lá ao fundo. Uma rapariga saía de dentro do mar. Estreitei os olhos para a ver com atenção, mas não deixei de tocar. Conhecia tão bem a peça que ela fluía automaticamente. A rapariga tinha os cabelos azuis, colados à cabeça, roupas azuis, coladas ao corpo, toda ela estava completamente encharcada. Afinal, estava a sair de dentro de água… Mas era uma visão estranha. Os seus olhos eram enormes e pretos, viam-se à distância, e pareciam estar fixos em mim. Ela avançou e eu não deixei de tocar. Sentou-se ao meu lado e eu não deixei de tocar. Olhava para mim sorrindo. Então a peça terminou. Disse-me “vim ouvir melhor”.

A partir daí começou aquilo a que poderia chamar uma amizade estranha. Sempre que tinha tempo, ia para o porto e começava  a tocar. Eram sempre peças diferentes e a rapariga aparecia sempre. Sempre encharcada, apesar de nem sempre aparecer no mesmo sítio. Sentava-se ao meu lado a sorrir e depois ia-se embora, não sei para onde. Eu queria saber mais sobre ela, perguntar-lhe coisas, mas ela quase nunca falava. Quando falava era sobre aspectos da vida natural, como estar quase a chover, ou estar quase a ficar sol. Ela adivinhava as marés e sabia quando as nuvens iam dar lugar a um arco-íris. Era estranho, mas eu sentia-me feliz pela primeira vez naquela ilha. Tinha alguém que parecia gostar genuinamente de me ouvir a tocar o violoncelo, apesar de não falarmos muito.

Uma tarde, nublada como sempre, sugeri-lhe mudar de sítio. Ela perguntou como e eu disse-lhe que íamos de carro. Ela parecia nunca ter visto um carro, mas não estava assustada. Foi nessa altura que começaram os nossos passeios. Navegávamos por toda a ilha, parando nos sítios mais improváveis. Lá, ela sentava-se ao meu lado e eu tocava. Uma hora, duas… O tempo parecia não passar. O som parecia atravessar a ilha até chegar ao outro lado, ao mar. Dos pontos mais altos víamos as paisagens verdejantes, salpicadas de vacas, sentindo a humidade a entranhar-se nos nossos ossos. Ela gostava de Porto Pim, dizia que se via bem o horizonte. Eu gostava da Caldeira. Era raro estar lá alguém e o nevoeiro era sempre tão cerrado que tinha dificuldade em ver os seus olhos negros. Mas o som parecia reflectir-se nas gotas de água, entrando na caldeira e voltando para cima, tocando nas plantas luxuriosas e pingando, como uma espécie de chuva.

Pela primeira vez naquela ilha sentia-me feliz. Não sabia o nome dela, ela não me dizia. Então também nunca lhe disse o meu. Mas parecia que não era importante saber este tipo de coisa. Era importante tocar o violoncelo e ouvi-lo. Nada mais.

Todos os dias eu esperava por ela. Mas, uma tarde, ela não ficou. Disse “tenho de ir voar sobre as ondas do mar” e sorriu. Era um sorriso triste. Qualquer que fosse o sentido daquela frase, significava que não nos íamos ver mais. Depois, foi-se. Desta vez, vi-a mergulhar a pés juntos dentro de água. Ela estava sempre molhada, mais ou menos como a própria ilha. Nesse momento percebi que a rapariga, a minha amiga, poderia ser mais do que uma simples pessoa estranha.

Em desespero, pensei no que poderia fazer. Como ir para o mar? Precisava de ir à procura dela, a resposta estava no mar! Não conhecia ninguém com barco, não imaginava a forma de lá ir. Até que, por acaso, vi um prospecto sobre as embarcações de observação de baleias na ilha do Pico. No dia seguinte faltei às aulas. O que interessava chumbar mais um ano? Aquela amizade era o mais importante para mim! Pus o carro dentro da lancha e sentei-me a olhar para a ilha do Pico, essa massa rochosa sem sentido, enquanto esperava que a travessia terminasse. Lá chegado, fui a toda a velocidade até às Lajes.

Ainda assim, tive de esperar uma hora e meia pela próxima partida dos barcos de observação. Vi atentamente todas as lojas de recordações, com os seus objectos em osso de vaca, imitando marfim de baleia. Aproveitei para ir ao museu, onde estavam mesmo os restos mortais de tantos animais. Depois, chegou finalmente a hora. Equipei-me com o colete salva-vidas e mantive-me na borda do pequeno barco, à espera de algum tipo de revelação.

A probabilidade de observar baleias nesse dia dizia-se ser alta. As outras pessoas, turistas do continente na sua maioria, pareciam muito excitadas, de máquina fotográfica em punho. Então, mesmo à nossa frente, sentimos uma enorme massa de água a mover-se. Era uma baleia, enorme, cinzenta, com a sua grande boca prognata cheia de barbas, as suas barbatanas, a sua pele sedosa. E os seus olhos. Eu conhecia aqueles olhos. Enormes. Negros. Quase sem fundo. A baleia voltou a mergulhar. Podíamos ouvir os cantos, esses misteriosos sons guturais, chamamentos, canções de amor.

E eu podia ouvir claramente a frase, repetida, vezes sem fim: “estou a voar sobre as ondas do mar”
O Violoncelista
Disseram uma vez uma coisa na Antena 2 que me inspirou. Depois fui aos Açores e foi melhor.

Não ficou exactamente como queria, escrevi-a num sítio sem internet e aí se vê a nossa dependência. Mas ok.
Loading...
Lembram-se aqui há tempos de eu dizer que queria reunir todos os meus contos, tirá-los daqui, metê-los num pdf e mandá-los a alguém que mos publicasse sob a forma de livro?

O dia foi hoje.

Adeus a todas as histórias com temas surrealistas e de sonhos, pois é esse o tema do primeiro volume altamente artístico que pagarei a alguém para editar e publicar no papel. Será um livro digno de um prémio para anormaléticos.

Só preciso de um título! Sugestões? :)

(Encontro-me fazendo isto na faculdade de letras, que até é um sítio bem pimpão)

Edit: Ah! Dois poemas meus foram publicados numa antologia poética da editora Universus, chamada "Universus da Poesia". Acho que está no Wook, mas não ganho nada com isso portanto podem ler um dos poemas aqui, é o "Dansa" :3
  • Mood: Approval
  • Listening to: Space Dandy OST
  • Reading: The Firm
  • Watching: Irresponsible Captain Tylor
  • Eating: Com fome, em processo
  • Drinking: Auga

deviantID

LadyLouve's Profile Picture
LadyLouve
A. Louve
Artist | Hobbyist | Literature
Portugal
Current Residence: Lisbon
Favourite genre of music: If I got to pick, orchestral, electro and happycore
Favourite photographer: ... Gakushi. Check her nao
Favourite style of art: Manga and Surreal
Operating System: Some sort of windows
MP3 player of choice: Meroko
Wallpaper of choice: Something divine
Favourite cartoon character: Yang Wenli
Personal Quote: AS MONTANHAS ESTÃO VIVAS COM O SOM DA MÚSICA
Interests

Donate

LadyLouve has started a donation pool!
1 / 2,396
For a Premium Membership. :3 Can I? :D

You must be logged in to donate.
  • :iconawaicu:
    awaicu
    Donated Dec 26, 2010, 6:26:20 PM
    1
Ai que enviei o manuscrito!

Agora é aguardar a resposta agressiva. :3
  • Mood: Nervous
  • Listening to: Animal Collective
  • Reading: Ulysses, by James Joyce
  • Watching: Last Exile
  • Eating: Um guta
  • Drinking: Auga

AdCast - Ads from the Community

Comments


Add a Comment:
 
:icondarkc3po:
darkc3po Featured By Owner Sep 26, 2014
^_^:hug:how are you,i want to wish you very early happy birthday:cake:have a great weekend my buddy.:hug:^_^
Reply
:iconladylouve:
LadyLouve Featured By Owner Sep 27, 2014  Hobbyist Writer
=D
Reply
:icondarkc3po:
darkc3po Featured By Owner Sep 28, 2014
^_^:hug:how are you,how is the weather,have a great weekend my buddy.:hug:^_^
Reply
:iconladylouve:
LadyLouve Featured By Owner Sep 28, 2014  Hobbyist Writer
The weather was fine, thank goodness :)
Reply
(1 Reply)
:iconthejoanapadj:
TheJoanaPADJ Featured By Owner Jun 26, 2014
Olá e bem-vinda ao :iconmundusridiculus: La la la la
Ficamos felizes por te ter como membro do grupo e contamos em ver vários dos teus trabalhos nas nossas galerias.
Por favor, não te esqueças de ler as regras e, se tiveres alguma dúvida ou até mesmo sugestões, envia-nos uma nota no grupo! Meow :3

De resto, esperamos que te divirtas por aqui! Glomp!
Reply
:iconchibbi-chanime:
chibbi-chanime Featured By Owner Dec 25, 2013  Hobbyist General Artist
:D Hosu!
Reply
:iconladylouve:
LadyLouve Featured By Owner Dec 26, 2013  Hobbyist Writer
OOO!

:D
Reply
:iconminihumanoid:
minihumanoid Featured By Owner Nov 28, 2013  Student General Artist
obrigada pelo fav :D :D :D :D
Reply
:iconjacac:
JACAC Featured By Owner Nov 13, 2013
o l á . :wave:
o b r i g a d o . p e l o . f a v
e s p e r o . q u e . a s . m i n h a s . o u t r a s . f o t o s . s e j a m . i g u a l m e n t e . i n t e r e s s a n t e s ...
Reply
:icondarkc3po:
darkc3po Featured By Owner Sep 26, 2013
^_^:hug:how are you,i want to wish you a very early happy birthday:cake:have a great day my buddy.:hug:^_^
Reply
Add a Comment: